Make your own free website on Tripod.com
Voltar INÍCIO LITERATURA ACTUALIDADE EDUCAÇÃO INFORMÁTICA ARQUIVO MEMÓRIA MAPA

 

Propinas

 

Ser jovem não significa ter razão, nem sequer quando se é um jovem estudante universitário. E no caso das propinas não têm razão. 

Se não estou enganado, sempre houve, no ensino superior público, propinas, como há aliás no ensino secundário. O que significa que os estudantes, na realidade, não lutam contra as propinas; lutam sim contra o aumento das propinas, o que é uma coisa substancialmente diferente. E opõem-se ao aumento das propinas, porquê? Isso é que eu não entendo! Se, nos últimos cinquenta anos, aumentou tudo, desde o pirolito até às rendas de casa, por que razão não hão-de aumentar as propinas? Será o aumento excessivo? Não creio. Provavelmente, os 56 contos exigidos agora têm um valor real inferior aos 1300 escudos do tempo da guerra. 

Dizem-me que a Constituição garante a todos um ensino tendencialmente gratuito. Provavelmente, é verdade, apesar das sucessivas revisões, mas notem que não diz gratuito (não basta ler, é preciso também compreender) e, para mim, 56 contos por ano é sinónimo de "tendencialmente gratuito". Há dois anos muitas crianças no jardim de infância pagavam três vezes mais. Aliás, a questão da gratuitidade tem sentido na educação pré-escolar e na escolaridade obrigatória, onde há ainda muito a fazer. 

Isto não significa que o Estado não deva investir na educação secundária e superior. Não é isso que está em causa. Significa apenas que o adjectivo "gratuito" só tem sentido pleno até ao término da escolaridade obrigatória. Significa ainda que, para lá do 9º ano, e sobretudo no ensino superior, os estudantes, através das suas famílias, partilhem com o Estado os custos da sua formação, tendo em conta naturalmente as possibilidades financeiras das famílias. 

E é natural, e é justo que se lhes peça essa comparticipação: afinal são eles os principais beneficiários dessa formação acrescida, que se traduz num estatuto social e profissional mais elevado, em rendimentos futuros superiores à média, melhores oportunidades, maior capacidade de adaptação à mudança. É por isto, e não por um hipotético e insaciável desejo de saber, que os jovens disputam ansiosamente uma vaga nas universidades, preferencialmente nas públicas, apesar dos tais 56 contos. 

A verdade é que os futuros privilegiados são já privilegiados: em relação á maioria dos jovens, que não conseguem chegar á universidade; e em relação aos estudantes das universidades privadas, que pagam cinco ou seis vezes mais, sem que isso represente necessariamente melhor qualidade de ensino. 

Há qualquer coisa que não funciona bem nestas cabecinhas! Estão disposto a pagar — e pagam — tudo: as roupas de marca, os ténis da moda, os gins na discoteca, o uniforme académico para usar duas vezes por ano, as aulas de natação, as aulas de inglês, a ginástica, o carrito para fugir à chatice dos transportes públicos... Mas propinas... — tá quieto! 

Se o problema for mesmo financeiro, um conselho: abdiquem da tradicional viagem de fim de curso às Caraíbas e depositem todos os anos, religiosamente, o dinheiro nos cofres da universidade. 

Portanto, façam favor de pagar e agradeçam a oportunidade que a sociedade lhes deu. E já agora vejam se fazem aquilo que é suposto fazerem — estudar! 

(Maio/98


Copyright © 1998 Jorge Santos  
Topo